Medina concorda com críticas ao jantar no Panteão

Governo pretende proibir festas no Panteão Nacional

Governo pretende proibir festas no Panteão Nacional

Culturalmente temos uma abordagem muito diferente à morte. "Amo este país como uma segunda casa e nunca faria nada que para ofender os grandes heróis do passado português".

A organização divulgou em comunicado: "Pedimos desculpa por qualquer ofensa causada". Paddy Cosgrave garante que "a Web Summit tentou honrar a história de Portugal e fazer com que os nossos convidados valorizassem o passado tão rico deste país".

O Panteão Nacional acolheu em 2013, segundo a CMTV, um jantar organizado pela Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), no âmbito de um programa de promoção do fado. Culturalmente, os irlandeses celebram a morte, e em eventos passados o jantar mais importante com os fundadores (da cimeira) aconteceu na Catedral de Dublin, a maior cripta do Reino Unido e da Irlanda. Pedimos desculpa pela nossa tentativa de celebrar o f.ounders desta forma. O jantar em questão chama-se 'Founders Summit' e decorreu na sexta-feira em Lisboa, no dia seguinte ao encerramento da cimeira tecnológica.

Também anunciou na mesma altura que iria proceder à alteração da lei "para que situações semelhantes não voltem a repetir-se, violando a história, a memória coletiva e os símbolos nacionais".

Reagindo à resposta ao Governo, o PSD afirmou hoje que a justificação dada pelo Executivo de António Costa é um "equívoco" e desafiou o Governo socialista a assumir responsabilidades por ter autorizado tal facto. Responsabilidade do governo anterior foi a regulamentação da utilização dos espaços culturais.

O gabinete do primeiro-ministro nega ao Expresso que tenha sido António Costa a promover o jantar ou que tenha participado nele.

A utilização festiva do Panteão Nacional, que é lugar de memória acolhendo os restos mortais dos homens e mulheres mais ilustres de Portugal, deixou indignados os portugueses e o próprio primeiro-ministro classificou-a como "absolutamente indigna".

Para o Panteão Nacional, os preços oscilam entre os 5.000 euros, por evento, no corpo central do edifício - sob a cúpula -, para fins comerciais, e os 1.500 euros da cedência do adro, para um acontecimento cultural.

Os deputados do PSD questionaram esta segunda-feira o primeiro-ministro se o Governo se fez representar no polémico jantar de fundadores da Web Summit realizado no Panteão Nacional, e se António Costa foi convidado para o evento.